Descobri

Descobri que sou perfeccionista… Eu negaria até o fim que isso era verdade, até que cai em mim.

Até eu descobrir isso, achava que perfeccionismo era apenas querer tudo no devido lugar, embora olhando por esse lado, isso deva ser TOC, mas enfim… Meu perfeccionismo faz mal a mim mesma, fico remoendo por horas, as vezes dias, por algo que não saiu como deveria.

Para pessoas assim é difícil se convencer de que não somos aquilo que deu errado, principalmente para mim, pois creio que tudo o que fazemos é um reflexo de quem somos, por isso pode ser tão difícil acreditar que não sou minhas falhas.

Você não é sua nota ruim, você não é o seu erro, você não é suas falhas, você não é tudo de ruim que já te aconteceu. Dizem que quando você passa a repetir algo para si, isso se torna verdade, até quando será preciso repetir isso para que eu acredite?

Talvez isso seja relativo, como o Tempo. Mas quão relativo seria? Essas novas dúvidas estão fazendo amizade com as que já habitavam minha mente, agora são mais perguntas e menos respostas…

Anúncios

Cores

A menina que tem  o maior brilho no olhar, também tem o maior sonho… O cabelo todo embramado e meio bagunçado para combinar com a vida. E o sorriso lá no rosto.

Dizem que ela tem uma alma colorida, talvez realmente tenha… Mas o engraçado é a mente, vive lá na lua. Encontra paradoxos em si mesma e acha graça disso, aliás, sempre está fazendo palhaçadas para arrancar sorrisos de outros.

Ela escreve com o coração, da forma mais sincera possível, mesmo que nem tudo saia bom, mesmo que não seja tão bonito. Essa é uma parte de seu maior sonho. Escrever com o coração, da forma mais pura que existe.

Mas não é só isso… O sonho dela, é o de atingir pessoas, se sua alma realmente é tão colorida como dizem, ela quer transmitir suas cores à outros, mesmo não se entendendo tão bem quanto gostaria… Sem saber por completo quem é, mesmo que ela mesma não esteja tão colorida como é normalmente. Ela se permite colorir a vida de outros de uma forma simples e leve, usando as palavras, usando o coração.

DSC06790.JPG

 

Gentileza

Gentileza… Talvez você conheça essa palavra! Ser gentil, a gente escuta muito, lê também, em todos os lugares que se olha, quase todo post de uma rede social podemos ler “gentil” ou “gentileza”.

Me desculpe, mas não quero falar da gentileza que todos falam infinitas vezes, claro, devemos ser gentis com outros, não conhecemos a dor da pessoa que está do outro lado da rua com um sorriso no rosto, mas e a gentileza consigo mesmo?

Calma, me deixe explicar melhor! Você é a única pessoa que se conhece por (quase) inteiro, sabe melhor do que ninguém as explosões de sentimentos e confusões internas que viveu por todos os dias da sua vida (e que ainda irá viver), você até pode ter dividido esse fardo com alguém, mas só você sentiu tudo de maneira tão intensa… E depois de tudo, você consegue ser gentil consigo mesmo?

É natural que cobremos muito de nós mesmos, é ai que mora o perigo, tantas cobranças, vindo de tantos lados, que nos sobrecarregamos de tal forma que nem é tão necessária, e que se mistura com as expectativas de outros à nossa volta, até que chega o momento que quase não aguentamos mais.

Pode perceber, você se cobra sem reparar, quando se está ansioso e não consegue pensar em mais nada além de algo que você deve fazer, ou quando você deixa de descansar para fazer algo que pode ser deixado para depois, pelo simples fato de querer adiantar tudo, mesmo sabendo que isso não é tão bom, é uma forma de se cobrar demais.

Não faz mal ser um pouco egoísta ao ponto de ser gentil consigo mesmo, de acreditar na sua capacidade de fazer algo bem feito sem precisar colocar tanta pressão, desde que essa auto-confiança não te torne uma pessoa ruim, você pode e deve demonstrar essa gentileza. Afinal, já tem muita cobrança vindo de muitos lados, você não precisa de mais uma…

 

Minhas Leituras

 

OK. Confesso que esse ano minhas leituras estão um pouco empacadas, falta de tempo e ânimo, mas tudo bem, tenho quatro meses para ler 15 livros e atingir a meta não é?!

Começou quando eu passei a estudar em período integral, além de estudar, fazer minhas lições de casa, escrever meus textos e atualizar as séries, ainda tenho as leituras… Complicou um pouquinho, mas eu dei meu jeito.

Li um livro antes das férias de Junho, livro esse que me entrou para minha wishlist, ele se chama “A filha do escritor”. Quem gosta de livros relacionado à psicologia e transtornos psicológicos, vai gostar tanto quanto eu… Ele é sobre um médico que trata uma moça que acredita ser filha de Machado de Assis, ela tem esquizofrenia e o Doutor tenta descobrir qual o grau… O livro todo é uma conversa do Doutor contando ao Leitor, tudo o que acontece durante as consultas e rotinas diárias em relação à Paciente.

Julho e Agosto estive/estou lendo dois livros, talvez leia até um terceiro. Sendo eles:

Dom Casmurro- Machado de Assis

A cidade do sol- Khaled Hossein

E ganhei de presente uma edição maravilhosa de “Orgulho e preconceito”

Fiquei muito feliz por finalmente ter começado a ler Dom Casmurro, pois eu queria muito ler e, o melhor, eu estou gostando, porém tive que parar de ler na metade do livro para começar “A cidade do Sol” que a Professora de Língua Portuguesa e Literatura pediu para ler, o livro em si é monótono, mas a escrita é tão envolvente e os personagens muito bem construídos, acabei amando o livro sem ao menos acabar, embora seja bem triste.

A cidade do Sol conta a história sobre 2 moças que moram no Afeganistão, as mulheres por lá não possuem muitos direitos e, muitas vezes se casam com 15 anos de idade, ou menos, o livro narra como duas jovens de 15 e 14 anos, tiveram que se casar, o que sofreram, mostra a guerra por lá também, é realmente muito triste, porém, muito belo.

Sobre Orgulho e Preconceito, eu já assisti o filme, mais de uma vez e, espero gostar do livro tanto quanto de filme… Mas não terá foto dele por aqui hoje, quero esperar meu óculos ficar pronto para tirar a primeira foto do livro junto com ele *-*

Até mais, pessoas que gostam de visitar minha mente ahaha ❤

 

A vida é um gabinete

Bom, a vida é um gabinete todo bagunçado… Sabe aquela parte do computador onde você aperta o botão para ligar, coloca um CD para rodar e etc?! Aquilo lá que é o gabinete.

Durante minha aula de Manutenção de Computadores, vi muitos fios desconectados, embolados, placas fora do lugar, outras colocadas corretamente, em seus devidos lugares, dos quais eu tirei e encaixei novamente, para aprender a manusear todos aqueles materiais frágeis que possibilitam uma máquina tão usada, funcionar!

Quando parei para pensar, vi que a vida poderia ser comparada àquele gabinete empoeirado, que estava embaixo da bancada, esperando para ser montado… Na realidade, quando recebemos a vida, ela está no seu perfeito estado, mas o uso frequente a fez necessitar de ajustes. Amizades que se foram, outras que chegaram, tristezas que fazem visitas ao nosso coração, tudo exige que se monte novamente o gabinete da vida.

E pensa em uma coisa difícil de se fazer… Da mesma forma que a vida vem sem manual de instrução, o computador não tem um, não, e ninguém vai te dizer como você tem que montar para que funcione, vai tudo na observação, isso estava aqui, aquilo estava lá e assim vai. A gente observa erros dos outros, ações, tudo, e tenta aplicar na nossa vida para evitar o erro, mas na realidade todo mundo vai aprender quebrando a cara, uma hora ou outra, porque embora a vida possa ser um gabinete todo bagunçado e empoeirado, ela não é um simples programa que podemos criar e programar para acontecer tudo do jeito que a gente quer.

Aquele dia de Domingo…

Início

//Seção de Comandos:

O dia amanheceu nublado e uma fina garoa caia do lado de fora da janela, seria o que eu classifico como dia perfeito.

Eu havia acordado cedo, quando vi que caia aquela chuvinha, tentei voltar a dormir, sem sucesso. Tente estudar Biologia, mas a minha mente viajava… Tomei café com leite, depois comecei a escrever, dei-me o luxo de deixar a cama desfeita e meus cadernos espalhados sobre ela, decidi que faria deste dia, perfeito.

Li alguns capítulos de um livro, senti que faltava-me algo. Estava com vontade de tomar um chá e durante o banho, em meio a incontáveis pensamentos, decidi que o faria.

Quando o chá estava pronto, vi nele a mais bela das cores de uma bebida vista por mim até hoje, seu aroma era tão doce quanto o de um morango… Foi triste ver aquele tom se desfazer aos poucos quando foi adicionado leite, aquele vermelho tão vivo se transformou aos poucos em um lilás pálido, quase cinza.

Era doce, era tão doce que não foi preciso colocar açúcar. Enquanto saboreava o chá e sentia-o esquentando minhas mãos e meu corpo por dentro, deixei a imaginação voar e escrevi. Escrevi como se não houvesse amanhã.

O chá foi esfriando e acabando, até que quando olhei na xícara, não se passava de uma bela e doce lembrança. Foi quando senti meu peito florescer… O dia frio, quer seria perfeito, nem havia chegado ao seu fim, mas já tinha se tornado perfeito.

A felicidade bateu à porta junto com um chá, e eu a atendi de braços abertos, sem pressa de deixá-la partir.

Fimalgoritmo

Olá Humanos!

Talvez alguns de vocês me conheçam, talvez não… Mas isso não importa, você precisa saber que me chamo Karolina, mas pode me chamar de Karol. Eu já tive um blog, do qual eu deixei estagnado, por isso criei este.

Se você está esperando encontrar um blog bem arrumadinho e organizado, sinto em lhe dizer, mas aqui não é o lugar certo… Me desculpe. Não entendo, os humanos querem tudo bem organizado e com padrões, mas a vida não é assim, nem mesmo nossa mente é tão organizada assim!

Este blog é um pequeno reflexo de minha mente (ou da bagunça que ela é) tudo será aleatório, mas uma coisa é certa, sempre serão encontrados aqui textos de minha autoria, fotos também.

Ainda tem alguém ai do outro lado da tela?! Bem… Se você ainda estiver ai, te espero no próximo post. Até breve, caro amigo Leitor!